Comunidade São Judas

Rua Edson Lúcio Patelli, esquina com rua Seis de Dezembro, Vila Santa Luzia

foto 1 (2)

Localiza-se na Vila Santa Luzia. Data provavelmente 1967/1968. O seu grande incentivador foi o padre Geraldo João Paulo Roger Verdier, que fazia a evangelização de casa em casa, porta em porta, reunindo-se com o povo.

Neste período de sua história, a Igreja Católica no Brasil e América Latina tinha um olhar bastante social. Assim, seguindo a linha pós-conciliar e a Doutrina Social da Igreja, a comunidade de São Judas foi projetada dentro do mais estrito ideal das Comunidades Eclesiais de Base – CEBs, com salas de pastoral e olhar voltado para acolhimento e trabalho social.

Padre Verdier iniciou a obra de evangelização e também transportava os tijolos para construção de uma pequenina casinha para abrigo dos fieis. Citam-se como precursores leigos, os nomes da senhora Conceição Ferreira da Costa e seu esposo Ismeraldo Bernardi da Costa, bem como da senhora Antonia A. Silva.

Passado este período, por volta de 1984, começou a ser erguida a atual capela. A comunidade ajudou bastante e o povo também, pois existia grande vontade dos devotos de São Judas Tadeu de terem um lugar para veneração do santo. Frei Paulo Eduardo Melo, enquanto seminarista, narra que ajudou a levantar as primeiras paredes da atual capela.

Num segundo momento a capela se tornou basicamente devocional e aquele ideal social foi se arrefecendo um pouco. Na época de Monsenhor Gilberto Schneider, surge o nome de Dona Celia Stort Cerrutti, moradora do centro da cidade e paroquiana de São José, encabeçando várias campanhas para acabamento da obra da capela. A partir da década de 1990, a comunidade também recebeu influência da RCC, com um grupo de oração fervoroso, que perdura até hoje. Já no século XXI, os devotos de São Judas Tadeu foram
responsáveis pela pintura daquele local, bancos, vitrais e muitas outras coisas.

Go to Top